Está aqui

Algarve é a região que tem mais condições para rapidamente sair da crise

Separadores primários

O Conselho Regional do Algarve aprovou na manhã da passada sexta-feira dia 22, por unanimidade a metodologia a aplicar na definição da estratégia de utilização dos fundos comunitários até 2020, que deve estar concluída em junho, revelou David Santos, presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Algarve.

No mesmo dia, à tarde realizou-se uma conferência pública de apresentação do Plano de Ação Regional Algarve 2020, que contou com as participações do secretário de Estado Adjunto da Economia e Desenvolvimento Regional, Almeida Henriques, da chefe da Unidade da DG Regio, Judit Rozsa e do presidente David Santos, entre outros, que visou a recolha de contributos para a definição dessa estratégia.

No decorrer da sessão David Santos perante um auditório completamente cheio sublinhou que “ a existência de Planos Regionais para o próximo período de programação 2014-200, é um incentivo para o esforço de interação regional que o conjunto dos actores do Algarve tem que concretizar no tempo que nos resta, para encontrar as melhores soluções para sair da situação em que se encontram as nossas empresas e os sectores mobilizadores da economia regional. As soluções têm que se centrar na criação de emprego e o Turismo faz parte da solução “.

Segundo o Secretário de Estado “ O Algarve é a região que tem mais condições para rapidamente sair da crise, assim o consiga fazer e de forma inteligente”. Almeida Henriques frisou que para além do turismo há outras áreas em que o Algarve pode apostar, como o mar, que disse ser “um fator de riqueza”, a agricultura ou a reindustrialização, “ que é hoje também uma bandeira deste Governo”.

Nas conclusões finais o Reitor da Universidade do Algarve, João Guerreiro admitiu que “ houve um falhanço nas estratégias anteriores” e o presidente David Santos agradeceu os contributos de todos os oradores e referiu “temos de passar da eficiência à eficácia. Dependemos de todos, do universitário, ao empresário e do autarca ao cidadão comum. Quando tivermos definido este programa teremos ainda uma Consulta Pública” .

As apresentações dos oradores da Conferência encontram-se disponíveis aqui.